sábado, 21 de dezembro de 2013

ESPECIAL: 100 EMPREENDEDORES INDIVIDUAIS DE 2013

OFERECIMENTO:




98. ALEXANDRE FERREIRA DE SOUZA: 

Computador customizado com a aparência do Homem de Ferro

São Paulo - Não há uma só pessoa na Campus Party 2012 que não tenha parado para conhecer o hardware Iron Man, um “animatronic” - boneco ou fantoche mecanizado para que pareça ter vida - como os que existem nos parques temáticos de diversão. A diferença é que esse modelo é do empreendedor individual (EI) Alexandre Ferreira de Souza, de Mogi das Cruzes, no interior de São Paulo.
Há sete meses, ele abriu a Casa Monstro (nome fantasia) com o objetivo de apresentar a uma incubadora de empresas de sua região um projeto de tecnologia ligado às artes plásticas. O projeto ainda está em fase de elaboração.
Alexandre gastou R$ 5 mil para construir o Homem de Ferro, mas o investimento valeu a pena. Acampado desde segunda-feira (6) no maior evento de tecnologia do país, que tem o Sebrae como patrocinador do tema empreendedorismo, ele já recebeu muitos elogios. Mas seu objetivo principal no evento é buscar investidores interessados em tornar o seu sonho possível. “A arte em gabinetes é bastante difundida no Brasil, mas não trabalho com um gabinete e sim com um animatronic. No resto do mundo, como no Japão, o conceito já está difundido”.
O material utilizado no Iron Man foi adquirido em lojas de material de construção, como tubos de PVC, massa de poliuretano, fibra de vidro, etc. “É uma tentativa de criar um mercado novo no Brasil, onde as empresas possam usar a arte como forma de divulgar e difundir suas marcas”, completa Alexandre.
O empreendedor trabalha com tecnologia há 15 anos. Atualmente, é analista de suporte, mas desde 2002 transforma modens em obras de arte. Há cinco anos mostrando seu trabalho na Campus Party, ele acredita que nesta edição conseguirá tirar do papel outro desejo antigo: publicar um livro de histórias em quadrinhos.

97.ELIOMAR RAMOS DE SOUZA

Editora Globo
"Com a formalização tive que me organizar financeiramente. Assim meu poder de barganha aumentou e consigo produtos com preços e formas de pagamentos que antes era impossível”. A afirmação é do cabeleireiro Eliomar Ramos de Souza, 28 anos, da cidade de Miguel Calmon, no centro-norte baiano. 


Em 2010, depois de uma consultoria do Sebrae na Bahia, ele percebeu que estava na hora de sair da informalidade e decidiu ser um microempreendedor individual (MEI). Mais organizado, com melhores preços e prazos, utilizando maquineta de cartão de crédito, rapidamente seu salão triplicou o número de clientes. 



Para conseguir dar conta da demanda, Eliomar que trabalhava com a esposa e as duas irmãs, começou a terceirizar os serviços de cabeleireiros, manicures e pedicures da cidade. 



De segunda a quarta-feira, o Centro de Beleza Metamorfose de Eliomar chega a ter oito profissionais à disposição da clientela. De quinta a sábado este número dobra. A formalização proporcionou outras mudanças. 



Atualmente Eliomar cursa a Faculdade de Estética e sua esposa pode se ausentar para fazer Faculdade de Engenharia do Petróleo e Gás em Sergipe. “Mas os benefícios não param, comprei meu carro e quatro terrenos. Nosso faturamento bruto é de R$ 20 mil por mês e na próxima Declaração Anual terei que passar para a categoria de microempresa”, conta. 



De uma família de seis irmãos, com poucas possibilidades de mudança, o garoto que nasceu e cresceu na periferia de Miguel Calmon,nunca aceitou o caminho de marginalidade trilhado por muitos de seus colegas. “Cercado por inúmeras possibilidades de me envolver com drogas, resolvi aos 14 anos que seguiria outro caminho", explica Eliomar. 



Usando cadeiras de madeira e com poucas ferramentas, ainda adolescente Eliomar começou no ramo da beleza como barbeiro. Depois de seis anos, tornou-se cabeleireiro. Em 2005, ele recebou o Prêmio Destaque de melhor cabeleireiro do município de Miguel Calmon. 



Antenado, Eliomar usa as redes sociais para divulgar seus serviços e fazer novos negócios. Ele também tem um blogcom dicas de belezas e fotos de atendimentos. O Metamorfose mantém ainda um banco de dados com cadastro dos clientes e oferece internet wi fi aos frequentadores. 



Depois da consultoria do Programa Negócio a Negócio, Eliomar acaba de contratar, com carteira assinada, uma profissional para cuidar das finanças do salão e estuda a expansão do negócio. “Quero abrir uma filial no município de Piritiba e para isto já estou treinando alguns profissionais”, comemora.



96. REGIANE BARBOSA 



Cozinheira mostra como conciliar a vida de empresária com a maternidade

Com criatividade, baiana de Teixeira de Freitas dá exemplo de empreendedorismo

Da Agência Sebrae de Notícias
Editora Globo
A empreendedora individual de Teixeira de Freitas, Regiane Barbosa, mostra que com criatividade consegue administrar a vida de empresária com a maternidade
Eu consegui conciliar o que gostava de fazer, adaptar a necessidade dos meus filhos e gerar renda. O Sebrae me ajudou a me realizar profissionalmente. Amo o que faço, cozinhar,” afirma a Empreendedora Individual (EI) Regiane Barbosa, hoje dona de um buffet na cidade de Teixeira de Freitas, extremo sul da Bahia.

Formalizada há oito meses comoempreendedora individual, Regiane já comemora os resultados da empresa. Mas, nem sempre foi assim. “Há oito anos eu era representante de medicamentos e optei parar de trabalhar para cuidar dos filhos, depois de uma gravidez complicada, mas sempre senti falta de uma atividade profissional” conta.

E para voltar ao mercado de trabalho ela driblou uma dificuldade e a transformou em oportunidade. “Desenvolvi receitas para superar uma dificuldade de alimentação dos meus filhos, acrescentei nas massas tradicionais verduras trituradas e cozidas no leite e todos agradaram. As pessoas da minha família, vizinhos e amigos começaram a me indicar para o preparo de alimentos em eventos," comemora a empresária.

Focada no sucesso do negócio Regiane não hesitou em buscar o apoio do Sebrae. “Procurei o Ponto de Atendimento do Sebrae e me explicaram tudo sobre o empreendedor individual, os documentos já estavam na bolsa e imediatamente me formalizei. Desde então sempre que tenho dúvidas o Sebrae me orienta, oferece cursos que faço questão de aproveitar ao máximo,” diz.

A partir daí a vida de Regiane só melhorou. A carteira de clientes aumentou e o faturamento também. Além de contar com os benefícios do governo como direito a aposentadoria ela ainda comemora a oportunidade que oferece a outras pessoas. “Tenho um funcionário e já consegui que cinco amigas se tornassem empreendedoras individuais, sem falar da família, sogra, cunhado e cunhada que também já estão vindo para o Sebrae. Fico muito feliz em crescer e ajudar outras pessoas”, ressalta..

Para Regiane esta é apenas uma etapa do sucesso. A empreendedora individual que agora fornece alimentos, inclusive para o Sebrae, ainda sonha em migrar de faixa. “Quero ver minha empresa crescer, quero me capacitar ainda mais e poder atender demandas maiores e empregar mais pessoas,” conclui.

PUBLICIDADE:


0 comentários:

Dí lo que piensas...