quarta-feira, 4 de junho de 2014

OAB-RJ DISCUTE

OAB-RJ oficia Receita contra cobrança sobre MEIs



Ao ampliar as hipóteses de incidência e estabelecer efeito retroativo, a nova cobrança de INSS sobre serviços prestados por microempreendedores individuais (MEI), instituída pela Receita Federal recentemente, criou um ambiente jurídico insustentável e polêmico, além de gerar insegurança a todo mercado criado pelos microempreendedores individuais. Esse foi o argumento da Ordem dos Advogados do Brasil do Rio de Janeiro para solicitar, em ofício enviado na última quinta-feira (8/5), que o órgão federal revise a Instrução Normativa 1.453, leia Vai Ficar mais caro.
A regra, em vigor desde 25 de fevereiro, estabelece a cobrança de 22,5% de contribuições previdenciárias sobre os pagamentos feitos pelas empresas aos MEIs pela prestação de serviços em geral.

Até então, segundo o que apontava a Lei Complementar 128/2008, as hipóteses de incidência da alíquota eram apenas restritas a certos serviços, entre eles serviços de hidráulica, eletricidade, pintura, alvenaria, carpintaria e de manutenção ou reparo de veículos feitos por pequenos empresários que trabalham por conta própria.
Além disso, a Receita estabeleceu que a medida é retroativa a 2012, o que, no entendimento da seccional fluminense, levará ao endividamento de todos os contratantes de microempreendedores dos últimos dois anos, fora onerosidade dos encargos e multas adicionais.
Segundo a OAB-RJ, a legislação brasileira não permite que se exija tributo sem haver uma lei que estabeleça tal cobrança. “A cobrança é ilegal”, resume Fábio Cesnik, presidente da Comissão de Direitos Autorais, Direitos Imateriais e Entretenimento, responsável pela formulação do pedido.
“O absurdo é ainda maior, pois o imposto é retroativo, o que também fere nossas regras tributárias, que impossibilitam a cobrança de tributos em relação a fatos geradores ocorridos antes do início da vigência de nova regulamentação", afirma.
Cesnik explica que a cobrança afeta principalmente o setor cultural, que depende de vários serviços prestados por microempreendedores individuais atualmente. A expectativa da OAB-RJ é que a Secretaria da Receite Federal volte atrás e revogue a instrução. Com informações da Assessoria de Imprensa da OAB-RJ.
Clique aqui para ler o ofício da OAB-RJ.

PUBLICIDADE:

http://www.rede3x.com/

0 comentários:

Dí lo que piensas...