sábado, 14 de fevereiro de 2015

MICROEMPREENDEDORES INDIVIDUAIS E O CARNAVAL

Microempreendedores Individuais aproveitam a folia para faturar mais.



Uma das pequenas cidades do Brasil onde há índices mais elevados de formalização de empreendedores individuais, Assú, um dos destinos mais famosos do Rio Grande do Norte em 2015 se tornará um ótimo ponto de lucratividade para Empreendedores Individuais devido a folia. 




 Se para muitos o carnaval é sinônimo de alegria, diversão e folia e descanso principalmente, para empreendedores individuais o período tem simbolizado uma oportunidade para incrementar o faturamento dos negócios e aumentar os lucros. É o caso de Microempreendedores Individual (MEI) da região do Vale do Açú, um dos destinos do Rio Grande do Norte mais procurados pelos foliões nos últimos cinco anos. Estes empreendedores estão vendo na festa mais popular de nosso país, um momento bastante propício para alavancar os negócios que possuem. 

Um desses tantos empreendedores que poderão faturar mais e fazer mais negócios neste carnaval, está Talisson Diego Nogueira da Fé, Proprietário da Chinemaq Estamparia, uma empresa que, há um ano, produz camisetas, chinelos e brindes na cidade de Assú. 

“Minha expectativa é atender à demanda dos blocos de carnaval da cidade e também encomendas daqueles que, mesmo viajando, querem levar produtos diferenciados”.

Formalizado como MEI há sete meses, o empresário comercializa cerca de 200 camisetas por mês, a preços que variam de R$ 15 a R$ 25, com o carnaval pretende triplicar as encomendas temáticas e normais. O valor depende do tamanho (infantil ou adulto) e os temas vão de desenhos infantis a imagens religiosas, bandas de músicas e camisas para ações de empresas locais. Além disso, o empreendedor desenvolve uma linha de chinelos estilizados com preços que vão de R$ 30 a R$ 40, este segmento de produtos pode até render mais de 26% de lucro adicional de acordo com o empreendedor.
O empreendedor se preparou para esse período desde o final do ano passado. Vem pesquisando continuamente como é o formato e a plataforma/mix de produtos e serviços de seu mercado e com isso pôde desenvolver estampas exclusivas e inovadoras nunca antes criadas na região por empresas do segmento.
Tudo isso poderá atrair maior público para seu empreendimento. Além disso, para garantir maior possibilidade de sucesso e lucratividade no período, o empreendedor fechou algumas parcerias com outras empresas para ampliar os canais de distribuição dos produtos junto ao público. A expectativa é de que as estratégias resultem em um aumento de 30% no faturamento da empresa em função do carnaval.
Outro segmento que está otimista para este carnaval é o de vendedores ambulantes. Isso porque as comidas de rua são a pedida para quem não quer perder um só momento da folia. Por isso, Joseverton Silva, que é formalizado como MEI, já está com tudo pronto para receber os foliões. Ele comercializa lanches e outras guloseimas. Este ano, deve vender as iguarias aos banhistas que costumam aproveitar o feriado à beira do Rio Açu. A expectativa do empreendedor é vender 200 caldos e 350 sobremesas, entre mousses e salada de fruta. Há mais de 20 anos atuando nesse segmento, Veveto do Cachorro Quente, como é mais conhecido, formalizou-se apenas há dois anos com o incentivo do Sebrae.
O brilho típico do carnaval também fascina os empreendedores, principalmente do setor de vestuário e acessórios da cidade, em função da possibilidade de aumento de receita. Angélica Cabral, proprietária da Loja Manga Rosa, de acessórios femininos conta que fez pesquisa de tendências de bolsas, brincos e pulseiras para o carnaval. “Mantive o mesmo investimento na compra dos produtos, mas utilizei a pesquisa de tendências voltada para esse período”, revela. Com 2 anos de mercado e formalizada desde o início, Angélica Cabral espera que até o sábado de carnaval consiga incrementar em 40% o faturamento do mês.
Em Assú, até dezembro de 2014, dos mais de 2 mil pequenos negócios optantes pelo Simples Nacional na cidade, 45% foram cadastrados como MEI, totalizando 988 profissionais formalizados. “Comércio varejista de artigos de vestuário e acessórios, lanchonetes e salões de beleza estão entre as atividades que mais formalizam na região. Seguindo a tendência de negócios que mais crescem no país”, atesta o gerente do Escritório Regional do Sebrae do Vale do Açu, Fernando de Sá Leitão.

PUBLICIDADE:


0 comentários:

Dí lo que piensas...